Sexta-feira
03 de Dezembro de 2021 - 

ÁREA RESTRITA

Insira seu login e senha de acesso ao software jurídico

Newsletter

Página Inicial

24/11/2021 - 19h30"As meninas na literatura para crianças e jovens" foi tema de palestra da EjefSuperintendente adjunta da Ejef, desembargadora Mariangela Meyer, compôs a mesa da videoconferência

“As meninas na literatura para crianças e jovens” foi o tema da palestra realizada nesta quarta-feira (24/11), por videoconferência, no ciclo de palestras mensais “Mulheres que inspiram pessoas e que superam os desafios da atualidade”. A ação é promovida pela Escola Judicial Edésio Fernandes (Ejef) do Tribunal de Justiça de Minas Gerais. A literatura infanto-juvenil requer uma parceria entre as linguagens verbal e visual, explicou a escritora Stela Maris (Crédito: Divulgação/TJMG) A superintendente adjunta da Ejef, desembargadora Mariangela Meyer, representou o 2º vice-presidente do TJMG e superintendente da Escola Judicial, desembargador Tiago Pinto, na videoconferência. A palestra foi ministrada pela escritora mineira Stela Maris de Rezende. A debatedora foi a escritora e servidora aposentada do TJMG Rosana Mont’Alverne. A debatedora ressaltou as qualidades da personagem Emília, de Monteiro Lobato na escritora Stela Maris (Crédito: Divulgação/TJMG) A literatura infanto-juvenil requer uma parceria entre as linguagens verbal e visual, explicou a escritora Stela Maris. Para ela, não há que se falar em não gostar de ler porque “as pessoas leem o tempo todo, leem os gestos, os cabelos, as roupas, as imagens, as paisagens e também os livros”. A escritora disse que gosta de inventar palavras e resgatar palavras antigas que caíram em desuso. “Eu sou apaixonada pelas palavras, tenho dó das palavras esquecidas, gosto de tirar o mofo delas, colocá-las ao sol para que ganhem vida novamente”, disse. Emília, a "boneca falante" de Monteiro Lobato, é a primeira personagem feminina da literatura infantil brasileira que representa as meninas e as mulheres que lutam pela sua liberdade e que exigem ser ouvidas, segundo a escritora. Para ela, Emília é a personificação das mulheres que são vistas como transgressoras porque lutam pelos seus direitos. “A personagem Emília disse que, quando aprendeu a ler, ficou mais triste porque descobriu os problemas do mundo, mas também ficou mais feliz porque passou a aprender mais e a obter mais conhecimento”, disse Stela Maris. E foi nessa personagem que ela se inspirou para escrever seus livros, incluindo o enredo de “A mocinha do Mercado Central”, vencedor do Prêmio Jabuti como Livro do Ano de Ficção em 2012 - obra que conta com uma personagem guerreira, vigorosa e questionadora. No início da carreira, contudo, Stela enfrentou algumas dificuldades. Ela contou que a mineiridade presente no seu modo de escrever, usando palavras regionais, foi, a princípio, questionada pelas editoras, que queriam uma linguagem padrão. Porém, teimosa como a Emília, ela insistiu e hoje é reconhecida como "a Guimarães Rosa da literatura infanto-juvenil", pela maneira como escreve. A debatedora Rosana Mont’Alverne exaltou as qualidades da personagem Emília que vê na escritora mineira - a insistência e o questionamento. Outras personagens femininas fortes de histórias que viraram filmes, citadas por Stela Maris, foram Dorothy heroína do “Mágico de Oz” e Wendy de “Peter Pan”. Ela destacou também o protagonismo feminino nos livros infanto-juvenis escritos por Isa Silveira Leal, entre outras escritoras brasileiras que focaram na mesma temática. Para a desembargadora Mariangela Meyer, as mulheres conquistam os espaços pela sua competência (Crédito: Divulgação/TJMG) E por falar em personagens fortes, a desembargadora Mariangela Meyer citou o projeto “Caminhos e Contos: a ressocialização pela palavra”, implantado na unidade feminina de Belo Horizonte da Associação de Proteção do Condenado (Apac), por iniciativa do 2º vice-presidente do TJMG e superintendente da Ejef, desembargador Tiago Pinto. Para ela, as mulheres "conquistam os espaços pela sua competência". As aulas do projeto, ministradas por Rosana Mont’Alverne, que além de escritora é editora e contadora de histórias, levaram às mulheres privadas de liberdade, a chance de escutar e contar histórias, ler e escrever. Muitas delas, por meio desse projeto, descobriram ou redescobriram o prazer pela leitura e a possibilidade de escrever e interpretar histórias. Para finalizar, Stela Maris citou uma fala de uma das personagens do livro “As meninas”, da escritora brasileira Lygia Fagundes Telles, que representa para ela o protagonismo das mulheres, seja na literatura ou em outras instâncias da vida: “Sempre fomos o que os homens falavam que nós éramos, agora somos nós que vamos dizer o que nós somos”. Diretoria de Comunicação Institucional – Dircom Tribunal de Justiça de Minas Gerais – TJMG (31) 3306-3920 imprensa@tjmg.jus.br instagram.com/TJMGoficial/ facebook.com/TJMGoficial/ twitter.com/tjmgoficial flickr.com/tjmg_oficial          
24/11/2021 (00:00)
© 2021 Todos os direitos reservados - Certificado e desenvolvido pelo PROMAD - Programa Nacional de Modernização da Advocacia